Os Imortais
Okina conseguiu destruir Sunagakure, tornando o vilarejo um só com as suas origens, as areias profundas do deserto. O mesmo aconteceu em Kirigakure no Sato, onde a entidade afundou a vila no oceano que o cercava. Porém, ao tentar acabar com Konoha, a inimiga da humanidade falhou sendo impedida pelos novos salvadores do mundo. Abençoados por Hagoromo, os ninjas Mako e Mordred conseguiram selar a adversária criando uma segunda lua pairando sobre o planeta. Passadas algumas semanas, uma seita antiga se reuniu procurando o local onde poderiam ressuscitar Jashin, um deus antigo. Liderados por uma mulher capaz de ouvir a voz do deus, os seguidores subiram a Cordilheira dos Deuses e encontraram uma rocha cheia de selamentos frágeis e acabaram assim liberando um novo inimigo que se diz ter muitos nomes: Kami-sama, Jashin-sama e Shaka-sama. A nova divindade absorveu os poderes da lua onde Okina foi selada e transformou-se totalmente, porém, uma quantidade estranha de chakra vazou e espalhou-se no planeta inteiro.O novo inimigo da humanidade marcou três vilarejos: Konoha, Iwa e Kumo. Mas quais são seus verdadeiros planos? E quem é a pessoa que despertou depois de muitos anos?
.
.
.
.
.
Últimos assuntos
» 1) Modificações de Nomes
Hoje à(s) 02:58 por Ban

» 2) Modificações de Ranks
Hoje à(s) 02:57 por Ban

» 1) Solicitações de Roleplay (Plotting)
Hoje à(s) 02:37 por Aoi

» 3) Solicitações de Avaliação
Hoje à(s) 02:37 por Hipátia

» [Stats] Rize
Hoje à(s) 02:36 por Aoi

» [mods] Rize
Hoje à(s) 02:35 por Aoi

» Lista & Organização de Vilarejos
Hoje à(s) 02:25 por Aoi

» [Evoluções] Anzai Tenshin
Hoje à(s) 02:22 por Kafka

» [C] O Herdeiro do País
Hoje à(s) 02:18 por Hipátia

» Lista & Organização de Aparência
Hoje à(s) 02:18 por Aoi


Convidado


19/6/2018, 03:11
Mensagens: 0
Geral
RPG
Ficha de personagem
Rank:
Perso:
HP:
CK:
ST:

Notificações
Não há notificações
Resetar as notificações

<

[Treinamento de Atributos] Teller

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Treinamento de Atributos] Teller - em 28/10/2017, 18:35

Treinar, treinar e treinar
 
                O dia não estava nem um pouco convidativo, o céu nublado parecia dizer que não existia para agradar ninguém.  Após uma noite entediante, Teller acordava sem nenhuma disposição.  Mas aquilo não importava, afinal promessas são promessas, ele ia ficar mais forte custe o que custar. Tomou seu café da manhã e saiu de casa em direção ao campo de treinamento.
                No caminho ele bolava seu plano de treino daquele dia. “Hummmm, força talvez...? Não, do que adianta força se não vou conseguir chegar perto do meu oponente? Tenho que ficar mais rápido”. Escolhido o foco de seu treino ele bolou o método que executaria dessa vez. Ao chegar no campo de treinamento ele botou sua bolsa no chão, de lá tirou pesos de perna, cada um pesando 10kg. “Não acredito que não consegui pensar em nada além desse treino ‘medieval’. Bom, outro dia eu invento um treino revolucionário”, pensava o garoto ao botar os pesos em suas pernas. Logo ele se levantava e se aquecia, para evitar lesões musculares. Aquecido o garoto fez um percurso em sua mente. Ele correria de uma árvore no final do campo até a outra do outro do campo, o que daria 100 metros. “Começar com o básico será bom”.
                Logo o jovem disparava em direção ao final do trajeto, sua velocidade estava seriamente prejudicada, cerca de 50% mais devagar, o que faria que ele levasse o dobro do tempo que costumaria levar para tal percurso. O garoto correu de uma árvore até a outra durante meia hora, estava cansado, mas não parecia nem de longe satisfeito. Sentou-se um pouco para descansar. “Não estou vendo resultado algum, talvez tenha que adicionar peso”. Dito isso o jovem deu um salto, tirou os pesos das pernas e adicionou mais 10kg em cada um. Teller começou a correr, mas logo percebia que era mais fácil do que parecia. Não conseguia mover suas pernas rapidamente, aquilo ia ser difícil”. O garoto então lembra do que o seu pai sempre dizia: “treinar, treinar, treinar. Essa é a chave para conseguir ficar mais forte, não importa o que você almeje. Se estiver difícil, é porque você está fazendo isso direito. Então não reclame!”. “Eu tô fazendo isso direito então, né, velho? Espero que esteja vendo de onde quer que esteja, eu demorei alguns anos, mas finalmente vou te obedecer”. O garoto então com a nova motivação, começou a correr; suas pernas pareciam pesar uma tonelada, mas não importava, se o esforço é grande a recompensa também seria, ele sabia disso. A cada volta parecia que ele aumentava ainda mais a velocidade, mas também parecia que ele dobrava o esforço. Depois de 1 hora de corrida ele não aguentava mais, caiu no chão ofegante. “Não é o suficiente, enquanto eu puder andar significa que ainda posso treinar”.  Se levantou e botou mais 10kg em cada perna, encheu o trajeto com obstáculos. “Se correndo eu evoluí, correndo pulando e desviando vou evoluir o triplo”. O garoto começou a correr, e logo no primeiro obstáculo, caiu de cara no chão. “É, talvez um descanso às fezes faça bem”, pensava ofegante com a cara na terra. 30 minutos depois, Teller se sentia pronto para continuar. Começou a correr novamente, dessa vez parecia estar muito mais focado. Correr com 30kg em cada perna se mostrou muito difícil, ainda mais tendo que lidar com obstáculos, mas se fosse fácil não era treino. A cada volta no percurso o seu cansaço aumentava imensamente, assim também com sua satisfação consigo mesmo. Depois de tanto tempo, ele experimentava a sensação de se realmente se esforçar e mal podia esperar para ver a recompensa.
                Depois de muito tempo executando o percurso, o garoto cai no chão de novo. Dessa vez não conseguia sentir as pernas. “É, pelo jeito eu treinei, treinei, trenei e treinei demais. Está na hora de ver do que os meus braços são capazes”. O jovem então guardou suas coisas e observou a rua que tinha percorrido para chegar ali, respirou fundo, pôs seus punhos contra o chão e começou a usar seus punhos para se arrastar. “Que droga, até a minha casa é quase um quilômetro... mas é melhor do que passar a noite aqui”.  Depois de 5 minutos se arrastando Teller percebeu que aquilo estava muito fácil, queria dificultar um pouco. “E se a cada 3 braçadas eu fizer uma flexão? Assim eu posso transformar o meu infortúnio em treino”. A sua culpa e sua promessa o transformaram em alguém obcecado por treinar. Talvez fosse bom, desse jeito tinha menos tempo para beber. Depois de se arrastar alguns minutos se arrastando e fazendo flexões já não achava que aquilo era o bastante. “Talvez batendo palmas?”, e lá foi ele de novo, dessa vez batendo palmas em todas as flexões. Todos que passavam na rua riam dele, achando que era um aleijado bêbado. Algo que não poderiam ser culpados, afinal, não é todo dia que se vê algo do tipo. Na metade do caminho, ele vê algumas crianças, e é claro que isso ia dar uma ideia maravilhosa para ele. “Quem quer brincar de trenzinho?!” disse Teller. As crianças obviamente ficaram empolgadas, todas queriam. Mas uma mãe que estava por perto não compartilhava de tão empolgação, ao ouvir tais palavras ela dei uma “BICUDASSA” na boca do ninja e tirou seus filhos dali. Os outros três garotinhos que ficaram cutucavam o pobre ninja que estava com, de novo, a cara enfiada no chão. – “Moço, e o trenzinho?” – “Calem a boca e subam na minhas costas” – resmungou Teller com a boca cheia de terra. – “Segurem firme, isso vai ser turbulento”. E então ele continuou, com a boca sangrado, sem poder usar as pernas, se arrastando e com três crianças desconhecidas nas costas e fazendo flexões. Que dia memorável, não é mesmo? Chegando no quarteirão de sua casa um dos garotos pergunta: - “Para onde estamos indo, moço?” –“Para minha casa, agora cala a boca”. Um pouco mais a frente, uma surpresa inesperada, o pai das crianças. Tal cena é claro que o deixaria surpreso. – “O que diabos está acontecendo aqui?” – “Não deveria falar assim na frente das crianças, cara” – “O nosso amigo está levando a gente para a casa dele para brincar de trenzinho, papai” – diz um dos garotos. – “Nem foden-” -diz Teller antes de tomar uma surra colossal do homem.
                “Cara, que babaca. Nem me deu chance de explicar. Aqueles pirralhos também, não sabem fechar a boca... pelo jeito vou ter que dormir aqui fora mesmo” – pensa o ninja enquanto observa, com as pernas, braços, e infelizmente a cara totalmente destruídos o portão de sua casa. “Que dia, meu amigo. Que dia.”
 
+1 ponto em Velocidade e +1 ponto em Força
 

Status:
HP:200/200
CH:200/200

_______________________

Ficha
avatar

Certinho, como é mês do up tu tem 2 em força e vel.

_______________________

Ficha
avatar
Genin
Genin

Tchutchatchatchurutcha
 
                Outro dia começara, e novo dia é sinônimo de novo treino. Teller, motivado como sempre, acorda exatamente às 6h da manhã, pega no sono novamente e acorda 13h. “Bom, O que são 7 horas de treino a menos? Se eu tão duro quanto planejo vou estar esgotado em 3 horas mesmo...” – pensou enquanto se levantava coçando a cabeça e bocejando. Preparou um café da manhã, tomou e saiu o mais rápido possível de casa. – “Maquina de sexo, eu transo igual a animal, a chatuba de mesquita...[]” – cantarolava o jovem enquanto se dirigia ao campo de treinamento. Hoje ele estava feliz, no outro dia ele havia conseguido pegar um pergaminho de golpes com seu amigo para usar no treino. Finalmente desenvolveria algo além de força bruta e velocidade. Não conseguia conter o entusiasmo e a animação: “Tenho certeza que aqui devem ter pelo menos 20 estilos de socos diferentes, mal posso esperar para aprender tudo. Sem falar nos chutes, os chutes de ninjas mais fortes são tão legais...”. Chegando no campo de treino ele imediatamente joga sua bolsa no chão abre-a e pega o pergaminho. “Taijutsu para Idiotas: volume 2... humm... parece bom”. – “Vejamos bem... ‘chute circular alto’, parece bom. Vamos experimentar”. A animação não dura tanto, ao tentar executar o movimento, o qual era descrito como muito fácil no livro, Teller escorrega e cai no chão. Era visível que apesar de sua força ele era extremamente inexperiente em combates, e isso é uma enorme fraqueza. – “Merda, eu não consigo fazer nem um movimento simples!” – exclamou antes de socar o boneco e racha-lo ao meio. Ele então lembra das palavras do seu pai enquanto treinava-o: “você pode ser o homem mais rápido ou mais forte do mundo, se seus golpes não foram precisos você não vencerá ninguém. O chimpanzé bêbado mais rápido do mundo continua um chimpanzé bêbado. Agora repita o movimento, parte por parte, e quando executar perfeitamente tudo junte-os e me ataque”. - “Certo, parte por parte” – disse após um longo suspiro. Uma tentativa após a outra ele conseguia evoluir gradativamente. Muito baixo, muito devagar, muito fraco, impreciso, a cada chute ele eliminava alguma imperfeição, até que finalmente conseguira executar o chute com maestria. O que nem mesmo o ninja esperava é que ele tinha talento. Alguns minutos após aprender o chute ele usou o mesmo para criar inúmeras variações. “Esse eu vou usar para pegar inimigo de surpresa, esse será útil quando o inimigo estiver muito próximo, esse eu posso usar no ar, vai ser difícil de bloquear. Depois de algum tempo lendo o pergaminho ele percebeu que existiam apenas alguns golpes lá, e o resto eram apenas variações. O seu trabalho então seria descobrir o golpe base para ele imaginar as mais diversas situações de combate e criar as próprias variações para suprir suas necessidades sobre determinadas circunstâncias. Quem diria que o jovem com tão pouco conhecimento para taijutsu poderia aperfeiçoa-lo de forma tão prática e rápida. Seu arsenal havia sido ampliado e muito e em pouco tempo, talvez tivesse descoberto o método para criar suas próprias técnicas, mas já tinha usado muito de sua capacidade cógnita por hoje, não era tão esperto para entender o que havia acabado de descobrir. Mas tão pouco se dava por satisfeito, tinha de treinar mais.
                “O pergaminho agora é inútil, tenho de voltar a treinar o básico. Tá na hora de fazer os punhos sangrarem, à moda antiga”. Depois de algum tempo focando em coisas como precisão e paciência, finalmente chegara a hora da diversão para Teller. O ninja pega sua bolsa, e corre em direção a uma árvore e com os próprios punhos foi fazendo buracos nela e escalando-a. “Quem precisa direcionar chakra pros pés quando se tem força bruta?”. Chegando no galho mais alto ele abre sua bolsa, retira duas bolas de ferro presas a correntes, amarra em seus pulsos e se pendura com as pernas por cima do galho servindo de apoio. “Flexões são um vício, cara...ah, eu paro amanhã’. Cruza os braços sobre os peitos e começa a fazer as flexões. Sua evolução era evidente, mesmo que não estivesse nem perto de onde quer chegar, ele sabia que o trabalho duro estava compensando. Depois de uma hora fazendo flexões, seus braços já estavam extremamente cansados, estava na hora de mudar a abordagem. “Pernas agora”. Pedras são um ótimo recurso para treinos, elas simplesmente são encontradas em qualquer lugar e podem ser usadas de inúmeras maneiras no treino de um ninja, principalmente se o ninja em questão for usuário de taijustu. Para a sorte de Teller havia uma rocha no campo, próxima às árvores. Deixe um usuário de taijusu a sós com uma pedra e terá um vislumbre do que é foram os neandertais. Ele pegou a pedra que devia pesar 50kg e jogou ela para cima, logo após plantando bananeira de modo que conseguisse segurá-la com as pernas. Começou então a flexionar as pernas de modo que pudesse erguer e abaixar a pedra. “Qual tempo seria ideal para isso? Bom, vejamos... acho que quando sentir que minha coluna está para partir deve ser uma boa marca”. Depois de uma hora repetindo o movimento suas pernas estavam bambas como nunca, e suas costas estavam o matando de tanta dor. Jogou a pedra longe com as pernas. “Certo. Agora está na hora de testar aquele soco... deixe-me ver...” – pensava enquanto se aproximava da pedra e parecia se preparar para algo. “Certo, se eu conseguir focar no ponto certo da rocha, e com o punho cerrado de maneira correta, eu conseguirei quebrar a rocha sem receber tanto impacto na mão...” – prepara o soco. – “Bem assim...”. O que veio em seguida foi o grito mais horripilante que um ser vivo poderia ouvir. – “Minha mão! Que droga! Eu achei que...! Merda!”. Realmente cálculos e teorias não era seu forte. Teller então pegou suas coisas e rumou a sua casa onde tentaria cuidar daquela ferida. 
Treino em força e taijutsu

_______________________

Ficha
avatar

Ta aprovado, 1 em taijutsu e força mas como ta no mes do up fica 2 em força e tai

_______________________

Ficha
avatar
Genin
Genin

Mais um dia se iniciava, e o mesmo clima de “por favor alguém me mate” estava instaurado em Kiri. Era tudo tão monótono, tão calmo. Talvez seja apenas para balancear as raras ocasiões onde a vila era invadida por espiões e batalhas antológicas eram travadas, ou assassinos homenageados por seus crimes de guerra eram aplaudidos pela multidão. Precisava haver um equilíbrio, tanto em Kiri, quanto no mundo. E é para isso que ninjas vivem, para lutar para garantir que o a balança possa ser equilibrada. Bom, isso em tese, é claro. Afinal, todas as nações queriam sim se sobressair sobre as outras, embora não parecesse. Ninjas eram soldados, que acreditavam lutar pela paz e bondade, mas no fundo sabiam que seu propósito era servir seu país da forma a qual fossem solicitados. Teller entendia isso, mesmo que novo. Hoje era outro dia em sua nova, e novamente uma nova chance de se tornar uma arma ainda mais poderosa havia sido lhe dada. Era hora de treinar.
                O garoto como de costume acordava cedo, não tão cedo quanto a maioria dos ninjas esforçados acordam. Mas o suficiente para não ser considerado um vagabundo, que vive de pequenas missões. Ele almejava algo maior que aquilo, ele sabia que era capaz, mas antes de provar para os outros, ele precisaria provar aquilo para si mesmo. Ficando mais forte, transformando suas fraquezas em vantagens. Logo após acordar, imediatamente salta da cama e se arruma. Seu café da manhã fora capaz de ser cronometrado tão depressa quanto uma corrida sua de 100m. Aquele dia ele sabia que precisaria se esforçar, hoje ele deixaria seus habituais treinos trogloditas de lado e se prepararia para pensar e agir como um shinobi de alto escalão. Após comer ele cruza a porta de sua casa, levando suas bolsa consigo.
                No caminho para o campo de treinamento, diferente do que faria de costume, dessa vez ele não pensava em um plano de treino para o dia, ele já tinha tudo em mente. Hoje o dia se resumia em pa pum pirulito pão doce.
                Ao chegar no campo de treinamento ele então abriria sua bolsa, sacando um livro de lá. O nome do livro era “Estratégias de Batalha: Pense Como um Shinobi”. Irônico não? Um ninja o qual já havia arriscado a vida em várias missões não saber pensar como um shinobi. Talvez as vezes os músculos realmente pudessem ser de grande ajuda, superando a necessidade de pensar com calma e frieza. Mas para o patamar que planejava rumar, ele precisaria aliar sua mente ao seu corpo. Precisaria se tornar um shinobi de verdade.
                Teller começa então a leitura do livro:
                “Capítulo 1: Veja Além do Oponente. As batalhas entre shinobis não acontecem apenas nos lugares óbvios. Não são os socos e chutes que ditam o rumo da batalha, mas sim a estratégia tomada pelo ninja. E para que uma ação seja tomada, o ninja deve conhecer e determinar inúmeros outros fatores. Quanto mais o ninja souber e quanto mais ele conseguir descobrir durante a batalha, mais chance ele terá se sair da mesma vencedor. O primeiro ponto em que devemos pensar numa batalha é, claro, seu oponente. Se você souber suas habilidades, ótimo, é uma grande vantagem. Se não, você precisa fazer com que ele mostre-as antes que você o faça, o mesmo conceito básico de um jogo de cartas. Quanto mais segredos e surpresas você tiver preparadas para o oponente mais vantagem você terá na batalha. Para forçar seu oponente a mostrar suas habilidades, você deve ataca-lo, mas não com sua força total, limite-se a usar apenas uma fração de seu poder, faça que seu inimigo o subestime, para que quando usar seus poderes ele não tenha reação. Outro fator determinante numa batalha é o ambiente. Conhecer o local onde está lutando é talvez a maior vantagem estratégica que possa ter. O local às vezes é favorável a você, às vezes não. O segredo é descobrir se ele te ajudará ou não, explorando-o ou evitando ao máximo ser prejudicado pelo mesmo. Se você possuir muitos jutsus de Katon, você não vai querer lutar num lugar cheio de água, certo? Mas como qualquer ninja sabe, são raras as ocasiões onde podemos nos dar ao luxo de escolhermos onde iremos lutar. Quando estamos em lugares que não nos ajudam, como nesse exemplo dado, devemos estimular nosso inimigo a se mover deste ambiente, ou pelo menos se afastar do fator deste local que nos prejudica. Force o oponente a se distanciar da água e então acerte-o com seu Katon. Outro ponto extremamente importante é: você. Isso, exatamente isso. Você deve conhecer seus limites, saber o que pode fazer e o que não pode, e então juntando os outros dois elementos anteriores, você conseguirá fazer suas estratégias, calculando sua chance de sucesso, assim minimizando as chances de falhar. Esses são os três pontos básicos que qualquer ninja deve saber sobre um combate”.
                A leitura tinha sido curta, mas para alguém que não está habituado a ler, como Teller, aquilo tinha demorado meses. Felizmente sua demora o ajudara a absorver todo o conhecimento, o que fez com que ele se desse conta de tudo que havia feito de errado em todas as suas batalhas até agora, e que se não fossem suas habilidades físicas, ele provavelmente nem estaria vivo. O ninja então reviveu cada batalha que ele havia travado desde que saiu da academia em sua mente, dessa vez tentando corrigir todos os erros mentalmente. Como se estivesse mudando o passado. Aquele seria um ótimo treino, visto que ele não teria nenhum oponente para praticar seus atuais conhecimentos. Mas ele sabia que muito em breve ele teria chance de provar que havia evoluído.

                Uma coisa era certa, ele havia saído daquele campo de treinamento um ninja muito mais completo do que quando entrou.

Status:
HP:500/500
CH:345/350
Bolsa de Armas:
9 Kunais (9)
5 Shurikens (5)
8 Kibaku fuuda (2)
20 Metros de fio (4)

_______________________

Ficha
avatar

Qual o atributo a ser avaliado? Inteligência? Confirme para que possa ser aprovado.
Convidado
avatar
Convidado
Convidado

Int. Mas vai exceder o limite de pontos de genin anyway

_______________________

Ficha
avatar

@Aprovado. É normal exceder, usa o que conseguir e cria um campo "Sobras" e ta resolvido.  Kakashi2
Convidado
avatar
Convidado
Convidado

Conteúdo patrocinado
Conteúdo patrocinado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

resposta rápida

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum